PALAVRIL EM VERSOS DE MoLA

Agora em novembro acontece no Circo Voador, em todas as quintas-feiras do mês, a 2ª Mostra Livre de Arte - MoLA.
Trata-se de um evento que, embora recente, já pode ser considerado um dos principais acontecimentos artísticos e culturais do ano aqui no Rio.
A MoLA foi criada/pensada pela segunda geração de produtores do Circo para juntar, numa mesma noite, diferentes formas de expressão artística.
A Revista Palavril, afinada com esses princípios, e certa de que fazer poesia é também, numa certa instância, trabalhar por ela, gerando sempre e cada vez mais novas possibilidades de interação, difusão e expansão da arte, entrou com um projeto para coordenar, em um dos dias da MoLA, as atividades artísticas no lounge externo do Circo Voador.
Faremos no dia 30 de novembro, no último dia do evento, um grande sarau artístico na caixa-preta, intitulado Palavril em Versos de MoLA.

Será uma noite com videopoesia, recital, performances, música, artes plásticas, exposições, instalações, lançamento de livros, mostra fotográfica, e mais algumas surpresas que estão sendo preparadas.
Ao lado, a galera que entre umas e outras trabalha para realização da nossa festa no dia 30.


Abaixo toda programação da Palavril em Versos de MoLA.
Não perca!!
Até lá!!

- Seleção Palavril de Videopoesias

- 1ª Mostra Fotográfica Palavril com: Aguinaldo Ramos, Alex Topini, Carlo De Luca, Fernanda Antoun, João Francisco Mariano, Julio Ferretti, Marcela Antunes, Paula Faraco, Samitri Bará, Tainá Del Negri e Tanda Melo

- Mostra Poética de Rua – Coleção Brasil Barreto

-
Lançamentos de Livros:

“Em cada esquina” de Bruno Borja
“Que se” de Rod Britto
“Lugar-Comum (Um pouco abaixo do nada)” de Julia Pastore
“O beija-flor e a rosa azul” de Bruno Feijó
“Navalhas voadoras para cortar a tarde” de Márcio Carvalho


- Intervenção Sonora: Banda Mysticow

- Contos Mínimos por Guilherme Tolomei e Victória Saramago

- Instalação:

Encaixar por Tainá Barros
Desenrolando os Fatos (os mais enrolados carretéis) por AnaKlaus
“A flô” por Júlio Ferretti
João – Um Planejamento de Vida por AnaKlaus
Mulher em Vermelho por Bárbara de Lira
Projeto Ar Duo: Vida ao Leo por Fernanda Antoun e Alex Topini
Em Contos por Nara Trindade
Canção para o Desvanecer por Thaís Simões



- Performances:

Residência em Versos de Mola – Grupo 13 numa Noite
SabaSauers em Movimento InVerso
Exercícios do Olhar por Tanussi Cardoso
Naquela Mesa em O Poeta e o Violão
A República dos Poetas por Ricardo Ruiz
Desconcertos por Bayard Tonelli
Água na Boca com a Dupla do Prazer Cairo e Denizis Trindade
Funk Progressivo com Felipe Cataldo e Cia dos 22
Filé de Rato Frito à Mola da Casa com os Ratos DiVersos
The Mummy com Tavinho Paes
Poesia Mix por Marcelo Girard
Irrealidades – Grupo Os Obtusos
Conversa com Verso por Dalberto Gomes
Batendo Baixinho com Bárbara Boneca
Pão, tesão sem analgésico por Joana Barros

Informações:

30/11 - à partir das 18h
Circo Voador
Entrada Gratuita até as 20:30h - mediante cadastro na bilheteria ou no site:
www.circovoador.com.br
Depois disso, R$ 10,00 estudante, R$ 20,00 inteira

12 Comments:

At novembro 27, 2006 12:23 PM, Anonymous Giulia said...

VAMOS ARRASAR!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 
At abril 28, 2007 11:17 PM, Anonymous Anônimo said...

www.myspace.com/freakoutmuzik

 
At abril 30, 2007 9:14 PM, Blogger Fяoѕô™ said...

quando vamos ter a próxima edição???

 
At dezembro 19, 2007 8:04 PM, Blogger adam said...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

 
At janeiro 19, 2008 9:24 AM, Blogger barb michelen said...

Hi again, see tthis is the site i told you i signed up to. It has some nice information about how to make money using OPP, i think you might find it interesting. here it is. bye!

 
At fevereiro 09, 2008 2:52 PM, Anonymous marcelo said...

quero vocês em sampa!

 
At maio 17, 2008 12:25 PM, Anonymous Anônimo said...

CONVITE A TODOS VISITANTES DO BLOG QUE TENHAM O HÁBITO DE ESCREVER!


2º CONCURSO INTERNACIONALIZANDO O JOVEM ESCRITOR

ESCREVA SUA HISTÓRIA PARA O MUNDO TAMBÉM!

OBJETIVO:

Fomentar o desenvolvimento em vitrine internacional do Jovem Escritor.

E reforçar os objetivos da primeira edição:

Incentivar o Escritor Iniciante a criar novos trabalhos, isto é, expandir sua criatividade com a meta de evoluir no Verbo “Escrever” não como um texto que será um conjunto de palavras lido pelas gavetas e sim como um conjunto de imaginação e inspiração voltado para a vitrine de um concurso literário e ter seu sonho realizado se caso obtenha as menções do concurso sendo que essa menções serão sua exposição num concurso no exterior possibilitando que o escritor participante tenha expandido sua amostra literária para um contexto internacional alem do imaginado e com uma ótima experiência no seu inicio de carreira ou se for no decorrer tenha a primeira chance de expor seu trabalho a um contingente maior de avaliação.

SOBRE O CONCURSO:

1. Cada escritor pode inscrever quantas obras quiser no gênero poesia, conto e crônica.
2. Ou seja, não há máximo de remessa de trabalhos.
3. O trabalho deve ser remetido na seguinte formatação: Corpo 12, Times New Roman, Courier ou Arial, espaçamento simples por e-mail e 1,5 quando por carta, assinados por pseudônimo.
5.Junto ao trabalho dentro de um envelope grande deverá ser anexado com um menor composto por uma folha com a sua identificação nome, pseudônimo, modalidades que participa, endereço, e-mail, telefone e número do RG e também o a cópia do comprovante deve estar dentro desse envelope menor.
6. Prazos de inscrição 27/12/2007 A 26/09/2008.

7. Enviar para:

RUA 18 No 1171
Nova Pampulha
Vespasiano
Minas Gerais
CEP: 33.200-000
A/C De Fábio Ferreira

Ou por e-mail: fabiojrmg@uol.com.br

8. TAXA DE INSCRIÇÃO:

SERÁ DE 10,00 REAIS PARA INSCRIÇÃO ILIMITADA, OU SEJA, TAXA ÚNICA.

FORMAS DE PAGAMENTO:

VIA PAYPAL PARA: fabiojrmg@uol.com.br

VIA CONTA POUPANÇA: Caixa Econômica Federal AGÊNCIA: 0081 OPERAÇÃO: 0013 C/P 1345 784-9 BH/MG Caixa Econômica Federal.
FAVORECIDO: Fábio Ferreira.

9. RESULTADOS: Assim que apurarmos os resultados.


10 . MAIS INFORMAÇÕES:

E-Mail: fabiojrmg@uol.com.br
TELEFONES (031)3622-9963.
NOVO SITE DO CONCURSO: http://fabiofj.angelfire.com/CONCURSO2EDICAO.htm

11. OBSERVAÇÕES: Se ainda tiver prêmios pendentes ou prêmios vitalícios os premiados me procurem, ok.

12. TEMAS: POESIAS – CANAL MUSAS DO PORTAL FJ – COMEÇANDO POR http://fabiofj.angelfire.com/LUCIANAMENDES.htm e navegue pelo resto

CONTOS E CRÔNICAS – CONTINUAÇÃO DOS TEXTOS PREMIADOS NA OUTRA EDIÇÃO DO CONCURSO http://fabiofj.angelfire.com/TEMACONTO.htm

13. PREMIAÇÃO A TODAS AS CATEGORIAS:


PRIMEIRA COLOCAÇÃO: 100,00 R$ (CEM REAIS) MAIS INSCRIÇÃO COM TRADUÇÃO PARA 4 CONCURSOS EM LÍNGUA ESPANHOLA.

SEGUNDA COLOCAÇÃO: 50,00 R$ (CINQÜENTA REAIS) MAIS INSCRIÇÃO COM TRADUÇÃO PARA 4 CONCURSOS EM LÍNGUA ESPANHOLA.

TERCEIRA COLOCAÇÃO: 25,00 R$ (VINTE E CINCO REAIS) MAIS INSCRIÇÃO COM TRADUÇÃO PARA 4 CONCURSOS EM LÍNGUA ESPANHOLA.

QUARTA E QUINTA COLOCAÇÃO: INSCRIÇÃO E TRADUÇÃO EM DOIS CONCURSOS DE LÍNGUA ESPANHOLA E DIREITO A UM "SUBMISSION" DE SEU TEXTO TRADUZIDO PARA QUALQUER REVISTA LITERÁRIA INTERNACIONAL.

SEXTA A DÉCIMA COLOCAÇÃO: PRÊMIOS SURPRESAS DECIDIDOS APÓS O ENCERRAMENTO DESTE CONCURSO.

___________________________________

TEXTOS MOTES CONTOS E CRÔNICAS:

CRÔNICAS:
MEMÓRIA MUSICAL (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO NOSTÁLGICA BASEADOS NO MOTE.
CLASSIFICADOS II (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO SUBJETIVA BASEADOS NO MOTE.
CONVERSA ENTRE AMIGAS (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO AS MULHERES AMIGAS E SUAS VISÕES MÚTUAS DE MUNDO BASEADOS NO MOTE.
O MARAVILHOSO MUNDO DOS CEGOS (CONDORECT ARANHA): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO NOS SENTIDOS E DESAFIOS DOS SENTIDOS EM RELAÇÃO AO MUNDO BASEADOS NO MOTE.
MESCLA DAS CRÔNICAS (COSME CUSTÓDIO DA SILVA E NICOLE LOUISE) ESTIGMA E O RELÓGIO DO AMOR PAROU, DIVERSAS LEITURAS SOBRE O MESMO, IDÉIAS EXPOSTAS E TUDO MAIS SERÃO ACEITOS PARA CRÔNICAS BASEADAS NESTE MOTE.

MEMÓRIA MUSICAL:

Você se lembra da música Cálice, de Chico Buarque e Gilberto Gil (1973)? Nela os autores iniciam a bela canção com a frase "Pai afasta de mim esse cálice". Na época Chico e Gil inflamados em romper com imposições dão ambigüidade à palavra cálice, referência a represaria daquele momento. Expressam o que sentem e pensam através da música. Submetem-se a risco de perder uma mão, de perder um braço, de perder uma perna, de serem presos ou até mesmo de perder a própria vida por idealismo e por vontade própria. Ao fazer analogia à frase "de vinho tinto de sangue" simbolizam a violência e a força imposta pelos militares e governantes.

Os compositores pedem na letra da música que seja extinta a repressão à liberdade de expressão. Que fosse extinta a censura.

No ano em que foi composta a letra da música Cálice o Brasil vivia um período de grande desenvolvimento econômico. No Governo Médici de 1970 a 1973 a economia bateu recordes de crescimento, chamada época do milagre brasileiro.

Tendo como base um celerado desenvolvimento com a expansão do mercado interno, modernos sistemas de crédito e uma nova política de exportação.

Aliado a isso, outros fatores conjunturais favoreceram como; a maciça entrada de capital estrangeiro que fortaleceu o setor estatal e a indústria nacional.

Nesse período o país tinha um cenário político bastante conturbado devido ao endurecimento do Governo no trabalho de desarticulação dos focos de protestos e guerrilhas ainda existente.

A máquina repressiva liquidou o movimento do Araguaia e várias operações comandadas pelo DOI-CODIs reprimia os movimentos populares e sindicais. Isso é história viva!

Inspire-se nesse belo registro de Chico Buarque e Gilberto Gil. Ouça a melodia e diga não ao Cálice!

CONVERSA ENTRE AMIGAS


Sei que às vezes o medo paralisa a gente. Aprisiona ao passado, a pessoas que perdemos, a desejos que não realizamos. Complexidade enorme ser gente. Julia me responde, banalizaram tudo - pensam que estamos numa prateleira, com preços baixíssimos".

Olhar e não enxergar. Assim começou nossa conversa naquela tarde quente de final de Outubro. Falo com a alma de uma mulher intensa em tudo. Por isso, sofre, arrasta um peso enorme desejando que o mundo mude. Que as pessoas sejam mais solidárias e menos solitárias. Respondo que quase todos olham e não sentem, mas eu, particularmente, sinto muito. Você sabe da minha sensibilidade... Somos espíritos, utilizamos um corpo físico - matéria, matéria que vai e vem com os tempos, com a evolução do universo. Não somos presos, somos livres Jú, livres! Tem momentos que sinto medo do que vejo nos olhos das pessoas. Vejo nada minha amiga, nada! Nossa! Acha que existem pessoas totalmente vazias? Vazias de tudo? Isso é muito sério!

É mesmo muito sério! Pessoas querem o que os olhos alcançam sem ao menos saber por que querem. Ou não querem nada e usam a figura do outro para se auto-promoverem. Papo cabeça esse hein Jú? Uau... adoro isso! Escreve sobre isso agora Claúdia.

Tenho aprendido com a água Jú. Observe essa maravilha de Deus - a água contorna tudo. Ela sempre dá um jeito de chegar a algum lugar. Representa muito Júlia é signo puro, natural e da natureza.


Talvez seja mesmo hora de sair fora. Minha decisão com o real envolve não só meu sonho, meu querer, mas minha alma também Claúdia.

Muitas vezes encontramos mais de uma porta de saída Júlia, temos que escolher. Não é fácil decidir qual caminho tomar, mas é necessário seguir. Mesmo correndo risco de entrar pela porta errada!

Pros amigos, você é brilhante - guerreira - falante - divertida. Não deixe que as mazelas da vida azedem o seu ínto - ele é superior a tudo isso! Nossa! Obrigada! Mesmo! De coração! Uma decisão não precisa ser dolorida, não é mesmo?

Isso mesmo! Tem coisas que somente as almas que se reconhecem são capazes de demonstrar verdadeiramente.

Júlia lembra quando contei que fui pedida em namoro? Você disse dá uma chance pro cara. Depois falei que ele era descasado e tem uma... E que algumas lições aprendemos duas vezes no máximo e você rindo me respondeu: "Corre! Mas corre muito dele!". Pois é, agora sou eu quem falo corre, mas corre muito pra realizar o que te faz alegre e feliz! Isso é saber amar a si mesma amiga! Atravessa quantas portas forem necessárias e não tema o desconhecido. Lá no fundo você sabe que tudo vai dar certo! É isso!

Nossa! Minha imaginação foi a mil. Esses nossos papos são sempre inspiradores. Valeu amiga! Por me permitir registrar esse momento. Beijo Júlia e fique em paz!


CLASSIFICADOS II

O individualismo contemporâneo é o que destroe o homem.
Não multiplicamos sozinhos.
Precisamos um do outro.
Somos sementes da mesma fruta Terra.
Essa fala é de uma mulher idealista que vive um momento multiplicador de raciocínio bem como ativista social em alguma ONG de Direitos Humanos. Ela não teme nada, sua linguagem é branca, emocionada, mas jamais sentimentalista quando se trata de defender suas idéias.

Pessoa que sabe bem o preço de ser autêntica e objetiva. Postura muitas vezes encarada como masculina e que ela entende. pois sabe que julgamentos fazem parte do sentimento humano e não se perturba com nenhum deles.

Aprova críticas que possam engrandecer o seu observador esforço.

Amparada por pessoas como Renato que admira sua garra e Sueli que incentiva suas memórias e inspira sua escrita. Com entusiasmo comemora cada linha produzida como se fosse o nascimento de um filho.

Aos 40 anos essa mulher decidiu escrever sobre subjetividades culturais da identidade humana. Questionadora e impulsionada pela arte da escrita passou a investigar porque o ser humano vem se tornando cada vez individualista e pouco renovador quando se trata de desenvolver e praticar idéias e ideais nesta complexa sociedade contemporânea.

Atenta e observadora procura lealdade, significados, reconhecimento e lógica em tudo que ouve, lê, escreve e pronuncia. Afirma que sua capacidade para conquistar o verdadeiro está além das entrelinhas. Hoje acredita que impor é violentar o outro e nenhum ser homem tem esse direito. Aqueles que pretendem deter a verdade absoluta são pretensiosos por natureza. Para ela falas liturgicas emburrescem a espécie humana. Reconhece que a capacidade do homem é imensurável e surpreendente. Por isso, considera inadequado medí-la.

Defende a idéia de Muniz Sodré - sociólogo e professor, "o olhar ao mesmo tempo em que percebe atribui valor". Isso "justifica" o aumento no desenvolvimento de discriminação, preconceitos e barbáries pelo fato de ignorarmos afetivamente e intelectualmente o outro.

Características de uma sociedade contemporânea e capitalista que dá importância em destacar título na frente do próprio nome quando se apresenta a alguém.

Sem pretensão a letrista de música - enfatiza:

"Democracia eu quero uma para viver"

Numa sociedade mais justa e menos desigual,
Numa sociedade de oportunidades reais para todos,
Numa sociedade que exija receber conhecimento pedagógico e idealista,
Numa sociedade que aprenda a dizer não aceito o preconceito!
Numa sociedade que aprenda a dizer não aceito a discriminação!


O MARAVILHOSO MUNDO DOS CEGOS

No mundo dos cegos, encontram-se maravilhas jamais vistas por aqueles que possuem os olhos bem abertos para o mundo. Na verdade, as maiores, mais belas, mais desejadas e gostosas coisas da vida, não está por aí, espalhadas na face da terra à disposição de todos. Estão, sim, reservados para poucos, somente para aqueles que conseguem enxergar, não com os olhos, mas com a virtude da consciência, do respeito e da dignidade humana.

Não enxergar é ter nos olhos a sensibilidade e a percepção de conseguir imagens criadas pela mente e, tenham a certeza de que todas são muito, maiores e belas do que as deixadas à nossa disposição. O Deus que tanto amamos não seria capaz de criar rios, cachoeiras, montanhas, lagos , pássaros, sons melodiosos e paladares deliciosos, se morasse na amplidão azul do céu e de lá dirigindo a nossa sensibilidade e percepção naturais.

Não seria capaz de fazer tantas coisas e, se realmente as fizesse, não seriam tão belas e majestosas quanto aquelas que estão na imaginação dos que não enxergam.

O homem precisa entender que em suas mãos, estão o destino do mundo e de tudo que nele existe. Compreender que só honestidade poderá levá-lo ao caminho certo, subsidiá-lo com respeito, dignidade de dar as mãos, sem preconceitos e parcialidades.

Ter a imparcialidade do cego que de todos se aproxima sem receios, indiferente à sua aparência física ou material; a dignidade de dar as mãos, sem perceber ou reconhecer na oponente, as suas nódoas ou ações indevidas.


Apenas dar as mãos, transferir-lhe um pouco do seu calor humano e até diminuir-lhes as possíveis máculas. Como é maravilhoso o mundo dos cegos! Não ter o dissabor de observar nas feições daquele que lhe beija a face, os traços da traição e nem perceber nas mãos que lhe afagam, os instantes de retração, mas apenas as sentir. Não ver é uma dádiva e não castigo. É ter no seu olfato a sensibilidade de sentir o verdadeiro aroma das rosas, jasmins, gardênias e muitas outras, imaginando-as tão mais belas que, não teria o próprio Deus, a capacidade de criá-los.


Poder sentir, através do seu apurado tato, as diferentes formas e variações de corpos e superfícies, sentindo-as como são: ásperas ou lisas, agradáveis ou intrigantes, sem influências da visão, sem repugná-las, apenas as aceitando.

Criar através do seu sentido maior, formas e cores que justifiquem a percepção do seu tato e do seu ilusório que sempre atingem a integridade da satisfação pessoal. Ser cego é poder analisar a cada fato com isenção, porque se não consegue o presenciar, é capaz de, com sua acuidade de sentimento, decidir pela verdade e não ser traído pela mídia no momento do fato. A insegurança que dirige seus passos pelos caminhos da vida é também a mola mestra que lhre possibilita dar tempo à mente para uma decisão convicta e que, se por vezes errada, jamais o= leva a um falso ideal.

Caso não desfrute da queda de uma cachoeira também não crava em sua alma a tristeza de uma lágrima que rola numa face sofredora, também não cria a paisagem do fundo, para o rebento das ondas do mar agitado, como não é capaz de criar o pano de fundo dos trovões. Mas, certamente, cria-os, porém sempre mais belos que a densa e branca espuma que sobe nos rochedos e, bem menos desagradáveis que o rigor do breu da noite e menos temeroso que ps clarões dos raios.

Ser cego é estar mais perto de Deus, melhor entendê-lo, senti-lo mais verídico, poder desfrutá-lo. Esse Deus até pequeno, tão pequeno que cabe na mente de cada um de nós. Possivelmente, uma partícula ínfima, razão porque não a detectamos nem a percebemos, por mais que se avance na ciência.

Provavelmente, invisível, mas sua presença é indiscutível e inolvidável, divisível, multiplicável. Poderemos também somá-la, mas, jamais subtraí-la. Caso, isso ocorra, seremos apenas homens e não seres humanos.

Os olhos que vêem o mundo não param mais de chorar e os que jamais o viram, são capazes de amá-lo.

POUT PORRI LITERÁRIO - ESTIGMA E O RELÓGIO DO AMOR PAROU

A vida humana é uma servidão. Nós estamos a serviço do nosso corpo que tem exigências da sociedade, o estigma do trabalho, a idéia da perfeição, da queda, do pecado, com o mundo moderno nos impondo o preço de tudo, mas sem saber o valor de nada.

Que o amor abandone aqueles que não dão à mínima pra ele, eu até entendo. Mas e quanto àqueles que se importam? Àqueles que acreditam, que esperam, que contam com ele? Àqueles que poderiam seguir sozinhos, mas preferem seguir acompanhados?

E aí está Zenóbia, negra, gari, vinda da área rural, população excluída de saneamento ambiental, esgotamento sanitário. Retirante, o combate à fome estava gerando mais fome, retratada nas músicas de Luíz Gonzaga, nas pinturas de Cândido Portinari, nas poesias de João Cabral de Mello Neto, nos livros de Graciliano Ramos.

Se há justiça para o amor, por que não há também para os amantes? Para os "idiotas" que por ele lutam, que por ele choram...



LEIA OS MOTES E CONTINUE AS INSPIRAÇÕES
CRÔNICAS:
MEMÓRIA MUSICAL (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO NOSTÁLGICA BASEADOS NO MOTE.
CLASSIFICADOS II (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO SUBJETIVA BASEADOS NO MOTE.
CONVERSA ENTRE AMIGAS (CÁSSIA MARIA DO NASCIMENTO): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO AS MULHERES AMIGAS E SUAS VISÕES MÚTUAS DE MUNDO BASEADOS NO MOTE.
O MARAVILHOSO MUNDO DOS CEGOS (CONDORECT ARANHA): CRÔNICAS COM INSPIRAÇÃO NOS SENTIDOS E DESAFIOS DOS SENTIDOS EM RELAÇÃO AO MUNDO BASEADOS NO MOTE.
MESCLA DAS CRÔNICAS (COSME CUSTÓDIO DA SILVA E NICOLE LOUISE) ESTIGMA E O RELÓGIO DO AMOR PAROU, DIVERSAS LEITURAS SOBRE O MESMO, IDÉIAS EXPOSTAS E TUDO MAIS SERÃO ACEITOS PARA CRÔNICAS BASEADAS NESTE MOTE.

PARA VER MELHOR AS ESTRELAS (GIORDANA MARIA BONIFÁCIO MEDEIROS): CONTOS COM INSPIRAÇÃO REFLEXIVA DENTRO DO QUE O MOTE DO TEXTO MOSTROU.
EM MAUS LENÇOIS (JÚLIO CESAR AMATO): CONTOS COM INSPIRAÇÃO HUMORÍSTICA BASEADOS NO MOTE.
BONECAS (CAIO FLÁVIO DE OLIVEIRA): CONTOS COM INSPIRAÇÃO POÉTICA E FILOSÓFICA BASEADOS NO MOTE.
O PASSADO NÃO MARCA ENCONTRO EM MOTEL (GERSON VALLE): CONTOS COM INSPIRAÇÃO ADULTA E CRÍTICA SOBRE O MEIO BASEADOS NO MOTE.
O MAR (JEFFERSON ULISSES MARCIANO): CONTOS COM INSPIRAÇÃO OBSERVADORA E PLANIFICADA BASEADOS NO MOTE.
A FUGA DO BOI! (JEREMIAS F.TORRES): CONTOS COM INSPIRAÇÃO VERÍDICA E COM ESTÓRIAS TRADICIONAIS BASEADOS NO MOTE.
O SUCURI (RITA BERNADETE SAMPAIO VELOSA): CONTOS COM INSPIRAÇÃO FOLCLÓRICA E AFINS BASEADOS NO MOTE.
CONTOS.

PARA VER MELHOR AS ESTRELAS

Faltou energia e a cidade Ilha da Fantasia ficou às escuras.
- Mamãe, estou com medo! Disse a menina na janela do último andar do edifício Morfeu.
A mãe afagou-lhe a cabeça:
- Não tenha medo não filhinha, com as luzes desligadas fica mais fácil ver as estrelas. A menina sorriu e ficou observando o céu pontilhado
de estrelas pequeninas.
- É tão bonito. Sorriu.

A velha senhora de um dos apartamentos do primeiro andar, dedilhava as contas do rosário rezando compassadamente ave-marias e padres-nossos.

- Ave Maria, cheia de graça...

No telefone público, em frente à janela da velha senhora, um homem chorava no telefone:

- Por favor, Clarice, sinto sua falta e quero ver os meninos. Prometo que não farei de novo, nunca mais baterei em você e muito menos nas crianças...
Por favor, escute, eu prometo viu?

No beco em frente um bêbado, lamuriava.

- Bebo para suportar a vida...


Cambaleando caiu no chão e não conseguia se levantar.

Outro homem sentado em um ônibus que passava no momento, praguejou:

- Viver é uma merda.

Encostou a cabeça na janela e tentou dormir um pouco depois de horas de trabalho. Fazia jornada dupla como balconista em uma lanchonete
e como motoboy de uma empresa. De hábito, quando ele chegasse em casa, os seus filhos estariam dormindo. Tinham rotinas incompatíveis e só no fim de semana ele
conseguia ver os garotos.

Na rua um grupo de meninos corria no escuro assustando os passantes, um deles, vendo o bêbado estendido no chão, chutou-o com toda a força. O bêbado gemeu

Os meninos, então, munidos de paus e pedras, passaram a espancá-lo. Vendo a brutalidade com que tratavam o bêbado, o homem que estava no telefone público, aos berros

avançou contra os meninos que abandonaram o pobre bêbado ensanguentado e cheio de escoriações. O homem perguntou se o bêbado estava bem. Grogue pela bebida e também pelas pancadas o bêbado agradeceu ao homem.

- Muito obrigado meu filho
- O senhor não deseja ir a um hospital? Perguntou o homem.
- Não está tudo muito bem, respondeu o bêbado sentando-se em frente ao beco.


EM MAUS LENÇOIS

Ônibus lotado. Segunda-Feira, 18:30h, cidade do Rio de Janeiro, esperar o quê?! E o pior: eu estava sentado! É isso mesmo! Antes não estivesse!
Uma madame aportou bem ao meu lado, e eu não me senti nem um pouco afim de ceder o meu lugar. Talvez você seja da ala que acha que um homem deve dar preferência às mulheres
que cavalheirismo é importante..., mas, primeiro ainda não entendi se as mulheres querem direitos e deveres iguais, ou não; segundo, meu corpo doía todo, um morto-vivo de cansaço.

Francamente, nem pensar...! Continuando havia um malandro, também em pé, com pinta de galo brabo, que começou a me olhar de cara feia. Será que me confundia com alguém?! Ou será que estava exigindo que eu doasse o meu conforto àquela dona?! Eram as únicas explicações razoavéis que me surgiram - não tão razoáveis assim! Feio às pampas, cabeludo, barba por fazer, um muque de respeito, dentes amarelos como um móvel que há muito foi branco (Vi quando deu um estranho sorriso para alguém)... "A coisa não tá boa pra mim, não!" pensei.

Passei a fingir que não o percebera, desviava o olhar para a janela, mas nada: o mal-encarado continuava a me fitar. A mulher, eu não sabia se notava a crise, ou não; se ela era alguma coisa dele, ou não...! Fico longe do tipo heróico (meio covarde mesmo) e, ao mesmo tempo, não gosto de demonstrar essa minha natureza.

BONECAS

No pátio da casa, as duas irmãs brincavam com suas bonecas. A primeira de ser mãe, dando de comer à filha. Panelinhas de plástico, gravetos simulando talheres, talinhos de grama boiando n'água, era o almoço que preparava. A outra menina era a comadre, vestindo sua boneca para um passeio. Para isto a enfeitava com gosto, penteando-lhe os os cabelos duros, pintando-lhe os olhos desbotados. Uns restos de batom da mãe e um pouco d'água num frasco de vidro - fazendo às vezes de perfume - era o toque final que a Chica precisava para ir de visita à casa da madrinha.

Brincavam assim, entretidas, na hora sossegada do depois do meio-dia. O pai dormia de bêbado, babando-se. A mãe andava ao léu, diz que procurandpo trabalho, não sabiam. Sabiam apenas das coisas do seu mundo, da paz daquela hora sem bordados. Tomando conta delas, por trás da cerca, uma vizinha gorda, rebocada de batom. Bem quietinhas, viu? Balançavam as cabecinhas loiras, trigais ao sol causticante, elas também bonecas, lindas no viver da infância. Faziam casamentos de reis, batizavam as filhas, organizavam festas com príncipes que chegavam em cavalos brancos, que era apenas um cabo de vassoura, onde vinha montado o Maneco, um bruxo de pano esquisito. Comportadas, heim? Recomendava a vizinha, de olho aberto.


O PASSADO NÃO MARCA ENCONTRO EM MOTEL

Zélio Ursino cansou-se de seguir telenovela. Não algum dia tivesse sido aficcionado no gênero. Mas, volta e meia, não sabendo o que fazer sozinho no apartamento, com a mulher e a filha atentas na telinha, sentava-se também ao lado delas, seguindo as peripécias repetidas ao longo de meses, por personagens que acabam sendo parte das famílias brasileiras.
É até difícil conversar com os colegas de trabalho ignorando as últimas façanhas de tais personagens. No entanto, por causa desta compulsoriedade da integração da novela em nossas
casas, com todos os seus tipos mal engendrados (é como se conviver, forçadamente, com uma multidão de aleijados de espírito), Zélio percebeu que estava se tornando cada vez mais irritadiço. Desde a infância tivera o hábito da leitura, de onde lhe vinha certo senso crítico. Hábito e senso que parecem rarear-se hoje em dia, inclusive nos personagens das novelas, que tanto podem espelhar como serem copiados na vida real sob este aspecto.
Sua filha e coleguinhas, por exemplo, pareciam seguir, por algumas observações e atitudes, certos estereótipos dos personagens telenovalescos.


O MAR

O mar refletia o azul do céu. As águas se moviam formando ondas que vinham chocar-se com os corais. O som era relaxante apesar de se misturar com a conversa das pessoas.

Júlio queria ser feliz. Os olhos fechados. Sua mente era um branco total.

Júlio queria ser feliz. Mas esse era um pensamento, era uma aspiração.

A felicidade verdadeira andava por aí, mas ele não encontrava porque buscava algo que não era ela. Depois que uma onda estourou em um rochedo Júlio pensou sem palavras. "Eu existo, apenas isso".

O sol começava se por trás da montanha. O céu ficava vermelho e o mar também.

Era algo muito belo que Júlio não se preocupava em ver. Ele relaxava cada vez mais.

De repente algo cutucou em sua cabeça. Ele abriu os olhos e viu sua namorada sorrindo docemente.

As gaivotas sobrevoavam águas e pessoas andavam de um lado para outro.

O casal estava sentado na areia.

Aline perguntou:

- Você me ama.

Julio respondeu:

- Amo.

- Duvido.


A FUGA DO BOI!

O que poderia ter ocorrido?
Um acontecimento rotineiro, normal, tornou-se repentinamente atípico, excepcional!
Um representante mais comum da espécime, de uma ora pra outra, resolveu "virar à casaca!"

Escapuliu do corredor da morte e ganhou o olho da rua!
Todos os seus antecessores, aceitaram seu karma sem nenhum comprometimento, por que somente ele resolveu
ser diferente?

Todos seus parentes, conscientes da impossibilidade de libertação tão seu fim violento, e sucumbiram. Ele não...

Numa última tentativa de encontrar a liberdade, momentos antes da morte violenta, resolveu reescrever sua história e fugir. Ledo Engano!


O SUCURI:

A vila, no coração de Góias, adormecera. Assim, tão silenciosa e banhada apenas pelo luar, parecia mais que morrera já há tempos. As ruas poeirentas
e desertas eram poucas e estreitas. O vento por elas passeava e penetrava pelas frestas das janelas carcomidas espalhando um silvo estranho pelo ar.

Não muito longe, no fim da rua principal, ficava a cadeia do lugar. Chicão tomara uma importante decisão.

Aos poucos o sol foi saindo e banhando a rua, as casas e os terreiros. O vilarejo todo se espreguiçava.

Levantara-se das palhas que lhe serviam de cama. Olhara em volta: um puxado exíguo. Era seu quarto, sua sala, seu banheiro, sua casa enfim. Ao lado, um pequeno cômodo com duas janelas que davam para uma das ruas laterais do lugar. No cômodo, três prisioneiros: ladrões de gado.

Dois haviam sido presos por Chicão e alguns moradores de uma fazenda dos moradores de uma fazenda aos arredores. Uma testemunha ocular fora o bastante. Chicão caçara-os. Estavam acampados na Beira do Rio Corrente em meio à mata margeante. Depois do cerco silencioso, veio o tiroteiro incessante e rápido.

Atenciosamente,

Fábio Ferreira - ORGANIZADOR DO CONCURSO.

 
At novembro 14, 2009 3:21 AM, Anonymous Anônimo said...

cheap cheap viagra no prescription viagra where to buy viagra viagra no prescription cheap viagra nz viagra uk cheap purchase buy buying viagra in uk sublingual viagra cheap viagra walmart viagra reviews generic viagra india viagra in the water no prescription viagra uk viagra sales

 
At fevereiro 20, 2010 11:11 AM, Anonymous Anônimo said...

Im not sure if it's got virus. But, when i switch on the laptop it shows the make and the "windows" thing. Shuts down by itself.. And opens automatically. This goes on till yu switch it off by pressing the power button. When i decided to format it by using the cd.. it says the hard disk is not found. now my dad wants to give the laptop to one of his friends who says he can fix it. The problem is, there are some personal pictures of me and my boyfriend. I dont want him to see it :| What should i do now ? thanks in advance :) [url=http://gordoarsnaui.com]santoramaa[/url]

 
At fevereiro 24, 2010 10:52 PM, Anonymous Anônimo said...

http://markonzo.edu Your Site Is Great!, ashley furniture [url=http://jguru.com/guru/viewbio.jsp?EID=1536072]ashley furniture[/url], poyqoa, allegiant air [url=http://jguru.com/guru/viewbio.jsp?EID=1536075]allegiant air[/url], sgnkjj, pressure washers [url=http://jguru.com/guru/viewbio.jsp?EID=1536078]pressure washers[/url], eiskye, dishnetwork [url=http://jguru.com/guru/viewbio.jsp?EID=1536080]dishnetwork[/url], tsvwc, adt security [url=http://jguru.com/guru/viewbio.jsp?EID=1536076]adt security[/url], jbhtsog,

 
At março 06, 2010 1:25 PM, Anonymous Anônimo said...

I just found the website who reviews about
Several
home business ideas

If you want to know more here it is
home business opportunity
www.home-businessreviews.com

 
At outubro 10, 2011 10:47 PM, Blogger Fanzine Episódio Cultural said...

A ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG) comunica que estão
abertas as inscrições para o VIII Concurso Plínio Motta de Poesias, do
ano 2011. As inscrições vão até o dia 21 de outubro de 2011.
Entrem em contato para adquirir o Regulamento:
a/c Carlos Roberto machadocultural@gmail.com
ESTE CONCURSO ESTÁ ABERTO PARA TODOS!

OBS: O VALOR DA INSCRIÇÃO ( 2 REAIS) PODE SER COLOCADO DENTRO DO ENVELOPE COM AS 6 CÓPIAS DA SUA POESIA.

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home